Presidente do CRP-23 se reúne com coordenadoras dos serviços de Psicologia dos maiores hospitais públicos do Estado

CHAMAMENTO (4)

No sábado, 21 de março, o presidente do CRP-23, Tássio de Oliveira Soares se reuniu, por vídeo ligação, com as psicólogas Núbia de Fátima Cavalcante de Alencar, Thays Lennye Mota Costa e Graziela Carvalho Piva, dos serviços de Psicologia do Hospital Geral de Palmas, do Hospital Regional de Gurupi e do Hospital Regional de Araguaína respectivamente.

Na pauta da reunião estava a gestão das equipes e aspectos relacionados ao atendimento de usuários dos serviços psicológicos nos hospitais no contexto de transmissão comunitária do covid-19.

As coordenadoras passaram um panorama das quantidades de psicólogos, números de leitos, disponibilidade de EPIs e outros aspectos relacionados à proteção dos trabalhadores da assistência direta neste momento em há recomendações para isolamento domiciliar. Foi pautado ainda como tais aspectos vem sendo abordados nos planos de contingências que estão sendo implantados nestes hospitais e como os profissionais da psicologia têm lidado com este cenário de crise.

Até o momento da reunião nenhum dos hospitais públicos estavam com pacientes confirmados para covid-19, apesar do alerta no Hospital Geral de Palmas, cuja cidade tem dois casos confirmados, o que fez com que a direção da unidade suspendesse a visita de familiares em leito, sem prejuízo de outras medidas.

O presidente apontou as ações que o Conselho Regional, alinhado com o Sistema Conselhos de Psicologia vem tomando em relação ao cenário da pandemia que está passível de configuração do exercício profissional na atuação em emergências e desastres. “Nossa atuação neste contexto exige de todos nós profissionais capacidade de acolhimento e suporte, não só com os usuários de nossos serviços, mas também entre nós colegas e todos os trabalhadores entre si, especialmente os que têm que lidar presencialmente com os usuários”, afirmou o presidente.

Este destacou também atos normativos dos órgãos sanitários, tais como, Ministério da Saúde e Anvisa sobre o cenário e pautou o Decreto estadual 6.072, publicado no sábado (21), que declara estado de calamidade pública no estado do Tocantins e que, entre muitas medidas, permite a jornada de trabalho remota para profissionais acima de 60 anos.

O presidente falou da importância do amparo institucional aos profissionais que estão na fronte da assistência, “neste contexto faz-se necessário a soma de esforços institucionais para todos os profissionais”.

Os participantes avaliaram a reunião como produtiva, pois permitiu o compartilhamento de informações a cerca do contexto, além da troca de experiência de cada uma das unidades. Foi encaminhada para a apreciação do plenário a necessidade de uma nota de orientação aos profissionais da área bem como posicionamento institucional sobre a proteção dos trabalhadores neste contexto.

Conforme um dos encaminhamentos, o presidente do CRP-23 se reuniu na manhã deste domingo (22), também com a presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Tocantins, enfermeira Emilia Miranda, para avaliar alguns pontos em comum e pensar estratégias, dentre as quais a soma dos esforços dos conselhos de fiscalização profissional da área de saúde.

Comente via Facebook

Comentário(s)