No Dia Mundial de Conscientização do Autismo CRP-23 entrevista Prof. Me. Lucas Delfino Araújo

card 02 de abril3

O Dia Mundial de Conscientização do Autismo, decretado pela ONU em 2008 e celebrado a cada 02 de abril, foi criado com o objetivo de chamar a atenção da população para a importância de conhecer e derrubar preconceitos e estigmas sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA), condição caracterizada por deficits de comportamento e comunicação social que afeta cerca de 70 milhões de pessoas em todo o mundo.

A data também tornou-se um marco da luta pela garantia de direitos para as pessoas autistas. No Brasil, a Lei nº 12.764/12, que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista, estabelece atenção integral às necessidades de saúde para a pessoa com TEA, incluindo identificação precoce, atendimento multiprofissional, terapia nutricional, medicamentos e informações que auxiliem no diagnóstico e no tratamento.

Para dar visibilidade ao Dia Mundial de Conscientização do Autismo, entendendo que a psicologia possui papel fundamental quanto ao desenvolvimento e a inserção social das pessoas com TEA, o Conselho Regional de Psicologia do Tocantins (CRP-23) apresenta a seguir uma entrevista com o Prof. Me. Lucas Delfino Araújo, psicologo clínico comportamental e um dos poucos aplicadores da terapia ABA associada ao Transtorno do Espectro Autista no Tocantins. Confira:

CRP23 Por que é importante para a Psicologia dar visibilidade ao Dia Mundial de Conscientização do Autismo?

PROFº LUCASVejo alguns pontos importantes: Possibilita que mais pessoas tenham conhecimento do TEA (Transtorno do Espectro Autista) e suas características, e consigam identificar traços em crianças próximas para que procurem atendimento especializado para diagnóstico e intervenção o quanto antes; Possibilita o aumento e melhoria nas políticas públicas e garantia dos direitos de pessoas com diagnóstico de TEA; Amplia o número de pesquisas e práticas baseadas em dados para trabalho efetivo com pessoas diagnosticadas com TEA.

CRP23Por que é importante que o sujeito com espectro do autismo seja acompanhado por um profissional da Psicologia?

PROFº LUCASA Terapia ABA aplicada ao TEA é uma das terapias mais efetivas para ensino de habilidades linguísticas e não-linguísticas para este público específico. ABA é uma sigla para Applied Behavior Analysis, ou Análise do Comportamento Aplicada. Comumente, a Terapia ABA é associada ao autismo pelo número de demonstrações efetivas no ensino de comportamentos de crianças diagnosticadas com TEA, apesar de não ser restrita a este público. O trabalho do Psicólogo é muito importante, pois identificará comportamentos que precisam ser adquiridos ou diminuídos de frequência, analisando sua função e propondo práticas efetivas de intervenção. É importante salientar que o trabalho com pessoas diagnosticadas com TEA necessita de uma intervenção multidisciplinar, onde o psicólogo é um desses profissionais.

CRP23Como as (os) Psicólogas (os) podem trabalhar a autonomia do sujeito autista na sociedade?

PROFº LUCASCada pessoa aprende de uma maneira específica, cada individuo é único em relação à sua história biológica, história de vida e cultural. Pessoas com diagnóstico de TEA podem aprender de maneira efetiva diversas habilidades para conviver de maneira funcional na sociedade na qual está inserida. Não devemos imputar à criança a aprendizagem de tais habilidades, devemos programar condições que façam com que essa aprendizagem aconteça. Através do Programa de Ensino Individualizado, as pessoas com diagnóstico de TEA aprendem as habilidades necessárias para atingir esse grau de autonomia. Habilidades essenciais são ensinadas e generalizadas para que a pessoa consiga aprender novas habilidades sem ensino direto.

CRP23Atualmente é possível observar a crescente do diagnóstico do espectro Na sua opinião, ao que isso pode ser atribuído?

PROFº LUCASPossivelmente seja atribuído a uma série de fatores, como as mudanças conceituais, o diagnóstico precoce, o aumento da sensibilidade da população em relação ao TEA, melhoria nas avaliações, acesso aos serviços, entre outros. 

CRP23De que forma a Psicologia pode contribuir para o diagnóstico e tratamento das pessoas com o espectro do autismo?

PROFº LUCASDesde a década de 60, a Psicologia já vem demonstrando intervenções efetivas para o ensino de pessoas com diagnóstico de TEA. A ciência comportamental, cada vez mais, tem demonstrado variáveis que fazem com que as pessoas aprendam determinados comportamentos. Pesquisas básicas e aplicadas são desenvolvidas a cada ano para estudar a relação entre comportamento e ambiente, fazendo com que as intervenções comportamentais se tornem cada vez mais eficazes. Intervenções baseadas em dados científicos são de suma importância para melhoria no diagnóstico e intervenção. Portanto, a contribuição da Psicologia se dá com as pesquisas científicas, oferecendo práticas que tenham fundamentação técnico-cientifica.

CRP23De que forma a Psicologia pode auxiliar as famílias que convivem com um parente autista?

PROFº LUCASO envolvimento da família é essencial no processo de aprendizagem destas pessoas. Trabalhar os anseios, medos e possibilidades de interação da família com a pessoa diagnosticada com TEA faz parte do processo de intervenção. A forma de auxílio depende de cada caso. É necessário estudar cada caso específico para poder verificar o grau de auxílio necessário. Quem tiver mais interesse em conhecer o trabalho da Psicologia Comportamental com pessoas diagnosticadas com TEA, sugiro a leitura da cartilha publicada pela Associação Brasileira de Psicoterapia e Medicina Comportamental e produzida pela Dra. Marillu Borba e Dr. Romariz Barros.

 

Comente via Facebook

Comentário(s)