Fraudadores manipulam imagem do Cadastro Nacional de Psicólogas(os) para aplicar golpes contra a categoria

Em tempos digitais, as tentativas de golpes têm se expandido e levado um número cada vez maior de pessoas a prejuízos financeiros e, ainda, relacionados à quebra de sigilo de informações pessoais.

Profissionais da Psicologia, assim como de outras categorias profissionais, também estão expostas(os) a diferentes formas de fraudes. Entre as novas formas de golpe está a tentativa de roubar dinheiro de psicólogas e psicólogos via WhatsApp.

Os golpistas acionam profissionais da Psicologia com a promessa de empregos em instituições renomadas. Ao demonstrarem interesse nas vagas, as(os) psicólogas(os) são informadas(os) de que estão em situação irregular junto ao Conselho Federal de Psicologia (CFP) e que seria necessário a quitação do débito. Para corroborar o argumento, os criminosos apresentam imagem grosseiramente adulterada do Cadastro Nacional de Psicólogas(os), com falsificações que apontam supostas irregularidades e multa eleitoral, induzindo a vítima ao pagamento de dívidas que não existem.

O Conselho Federal de Psicologia ressalta que as informações sobre finanças de psicólogas(os) cadastradas no Sistema Conselhos de Psicologia não são públicas. Apenas as(os) e seus respectivos Conselhos Regionais possuem acesso a esses dados. Nesse sentido, a Autarquia alerta a categoria a desconfiar de propostas que não tenham sido solicitadas pelas(os) profissionais. Da mesma forma, o CFP recomenda que, em caso de dúvidas, a(o) psicóloga(o) busque orientações nos sites e canais oficiais dos Conselhos de Psicologia.

(fonte: Conselho Federal de Psicologia)

Comente via Facebook

Comentário(s)