CRP-23 divulga o primeiro caderno temático produzido pela Comissão Especial de Psicologia e Povos do Cerrado

Com muita alegria o Conselho Regional de Psicologia do Tocantins comunica que está disponível o primeiro volume do caderno temático produzido pela Comissão Especial de Psicologia e Povos do Cerrado.  

A publicação, que conta com a colaboração da Associação dos Remanescentes dos Quilombolas (ARQSAV), tem como objetivo compartilhar informações sistematizadas a partir da realização de diversas atividades no âmbito da Comissão.

O Caderno aborda questões complexas e urgentes acerca da vivência dos povos indígenas e quilombolas no Tocantins, considerando sua relação com os territórios, a defesa intransigente do meio ambiente, a luta por acesso às políticas públicas, as dificuldades impostas pela pandemia, e a ausência de uma atuação responsável do Estado brasileiro que preze pelo seu bem viver e garanta uma existência digna.

“Apresentar uma publicação que de alguma forma registre o encontro da Psicologia com saberes tradicionais, é importante para as psicólogas e psicólogos que atuam nesta área, para a luta das pessoas que generosamente se dispõem a este encontro e para toda sociedade.”, lê-se no corpo textual de apresentação do caderno.

O prefácio escrito pelo atual conselheiro presidente do CRP-23, Pedro Paulo Valadão Coelho, também destaca a importância deste documento observando que: “a pauta ‘povos tradicionais’ sempre se apresentou como uma temática prioritária ao desenvolvimento da profissão de psicólogos e psicólogas no território do estado do Tocantins.”.

Além de registrar o empenho dos profissionais envolvidos na defesa dos princípios dos direitos humanos, da ética profissional e da vida das pessoas, com a publicação do caderno a Comissão Especial de Psicologia e Povos do Cerrado do CRP-23 também espera contribuir para “que a vida dos povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos e todos os povos da floresta possa ser respeitada e integrada por nós. Que sejam promovidas a sua identidade e o seu bemviver e ganhem o devido reconhecimento, em sua pluralidade e diversidade, pela importância na história e construção dos povos que constituem o Estado do Tocantins e o Brasil.”

O caderno temático do CRP-23 “Psicologia e Povos do Cerrado” já está disponível em formato digital e pode ser acessado e baixado através do link: Caderno Temático

Em breve será realizado o evento de lançamento oficial da publicação, com data e horário ainda a serem definidos para posterior divulgação.

Comissão Especial de Psicologia e Povos do Cerrado

A Comissão Especial de Psicologia e Povos do Cerrado iniciou-se em 2017, primeiramente em formato de Grupo de Trabalho, e posteriormente em 2018 foi transformada em Comissão Especial. Surge a partir da necessidade de criação de um espaço dialógico entre a psicologia e os povos do cerrado, existentes no Tocantins, que demandam da psicologia o exercício de seu compromisso social, para que se debruce na tentativa de fortalecê-los e também de se somar aos seus processos de luta através, da escuta, de imersões nas comunidades, produções técnicas, debates, e reflexões. Assim, a Comissão foi e tem sido construída por diversas mãos, contando com profissionais da psicologia e com não-psicólogos, possibilitando que as lideranças e representações indígenas e quilombolas ocupem esse espaço de construção dialética e produção científica no campo da psicologia tocantinense.

Comente via Facebook

Comentário(s)