1º de Outubro – Dia do Idoso

DIA DO IDOSO

Celebrado mundialmente no dia 1º de outubro, o Dia do Idoso também marca a data de promulgação do Estatuto do Idoso no Brasil (Lei Nº 10.741), que este ano completa 17 anos e é um importante instrumento para regulação dos direitos assegurados às pessoas idosas.Mais de 28 milhões de pessoas no Brasil tem idade igual ou superior a 60 anos, faixa etária que caracteriza a pessoa idosa. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o grupo corresponde a cerca de 14% da população total do país e a projeção é de que este percentual dobre nas próximas décadas.

Divulgada recentemente pela Agência Brasil, uma pesquisa da American Association of Geriatric Psychiatry indicou que 20% da população, acima dos 55 anos, têm algum tipo de problema de saúde mental. Em 2018 dados do Ministério da Saúde também alertaram para a alta taxa de suicídio entre indivíduos com mais de 70 anos. Este ano, o isolamento social rigoroso imposto às pessoas idosas em consequência da pandemia da covid-19 acentua a necessidade de atenção psicológica a este grupo.

O artigo 2º do Estatuto do Idoso prevê que deve ser assegurado à pessoa idosa todas as oportunidades e facilidades para preservação de sua saúde física e mental. Destaca-se como primordial o compromisso da família, da sociedade e do poder público pela garantia a um envelhecimento saudável e em condições de dignidade para esta população.

Neste contexto, o Conselho Regional de Psicologia do Tocantins (CRP-23) traz a memória da psicóloga Nara Wanda Zamora Hernandez enquanto exemplo de que é possível envelhecer com qualidade e manter-se produtiva e socialmente ativa durante a terceira idade. Mesmo idosa, a professora Nara Wanda, cujo nome é título do III Plenário do CRP-23, permaneceu atuante no desenvolvimento da prática, ensino e pesquisa em Psicologia.

Na segunda gestão do CRP-23, Nara Wanda Zamora Hernandez encampou a luta pelos direitos dos idosos no Conselho Municipal do Idoso de Palmas propondo atividades de lazer, o que favorece a socialização e a possibilidade de perceberem que estão vivos, com alternativas para efetivação de mudanças individuais e sociais. Além disto, ela também criou a comissão de Gerontopsicologia, uma das comissões mais atuantes no segundo plenário. Hoje, quase 5 meses após o seu falecimento, o CRP-23 mantem a representação no Conselho Municipal do Idoso, através das psicólogas Rosane de Oliveira Barbosa (CRP 23/611) e Eliana de Aquino Taríssio (CRP 23/1164), e a proposição para reativação da comissão de Gerontopsicologia.

Defender o envelhecimento digno é compromisso de todos e a Psicologia tem papel fundamental pela garantia de direitos e pelo bem-viver da pessoa idosa.

 

Comente via Facebook

Comentário(s)